SALVADOR: 468 ANOS DE MAGIA

4/08/2017 02:23:00 AM


  Ah, Salvador! Cores, beleza, energia, cidade da nossa eterna Bahia! Seu canto que encanta e inspira. Seu mar da cor do céu, quem dera ser um peixinho para me perder em grandiosidade azul. Suas águas lavam almas, seus ventos são como canções. No axé encontramos a energia desse povo que contagia, curtindo ao som da batida que só traz alegria. Sorte de quem pode conhecer e acompanhar cada pedacinho dessa cidade magia.

  O carnaval é repleto de gente de todo Brasil, atrás do trio não existe amanhã. Ao olhar do turista ao encarar nossa vista poderá ficar, para nunca mais voltar. Aqui não existe títulos e posses, existe a diversidade, união, a miscigenação. Não existe dia ruim, para tudo há uma solução, um lado bom; a quem diga diferente, mas seus bons escritores provam contrariamente.

  Jorge Amado, Joao Ubaldo Ribeiro, Castro Alves. Grandes exemplos baianos da literatura brasileira. Andaram entre linhas, amaram entre as palavras, sentiram a brisa das páginas. Foram sol e chuva, altas madrugadas. Escreveram sobre a nossa Bahia Amada. 

  É sempre bom lembrar, que em nossa cidade não é apenas no carnaval que há coisas boas para encontrar. Aqui, em toda rua que você passar irá ter uma historia a se emocionar, historias para um livro publicar. Um perfume para o cheiro guardar. Um tempero, um dendê que sempre lembrará. As pessoas, a culinária, os pontos turísticos sempre encantará. Por essa capital, eu lhe convido a se apaixonar!

Você Pode Gostar Também

0 comentários

ABOUT ME

About [span]me[/span]
Aos 15 anos, a soteropolitana, da cidade de Salvador, Lorena Souza está disposta a viver diversas mudanças, assim como a pipoca, que por sinal é um dos seus amores. Concilia seu tempo nos estudos, fotografia, vida social, faz parte da Galera Capricho 16/17, e agora o blog, espaço criando para compartilhar seus pensamentos!

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Postagem em destaque

Além de descobrir, sim redescobrir.

  Quando sinto algo a flor da pele, sinto a necessidade de escrevendo. Afinal, escrever é entender. E agora, entendi que nem sempre es...